O recado foi dado pelo vice-presidente de Marketing do Mall of America, Jill Renslow. O que há de estranho na mensagem? Bem, o Mall of America é o maior shopping da nação mais consumista do mundo, os Estados Unidos, e Renslow sugere aos seus 15 mil funcionários ficarem em casa com seus familiares justamente num dos dias de maiores vendas do calendário no país, o feriado do Dia de Ação de Graças (Thanksgiving Day), véspera da concorridíssima Black Friday. Ou seja: o maior de todos os templos do consumo estará fechado para que os seus funcionários possam comemorar a data em família.

Mudanças à vista? Tomara. Um pouco de História: o Dia de Ação de Graças é comemorado na quarta quinta-feira do mês de novembro e a Black Friday, como o nome sugere, na sexta-feira subsequente. Na busca insaciável por mais faturamento, o shopping de Bloomington, Minnesota – como a grande maioria em todo o país – começou a abrir suas portas cada vez mais cedo para antecipar a Black Friday. De 2012 para cá, muitas lojas e grandes redes de varejo, como o Walmart, passaram a funcionar no próprio feriado.

Deu certo? Mais ou menos. Nos últimos anos, pelo menos para os administradores do Mall of America, abrir no feriado de Thanks giving significou mais despesas com horas extras do que propriamente aumento de vendas. Pior: privou os funcionários das lojas do convívio de suas famílias nesse que é, em termos nacionais, o feriado mais importante, observado como um dia de gratidão a Deus e celebrado com orações, jantares e festas pelas realizações ocorridas durante o ano.

“Para nós, o Dia de Ação de Graças representa o momento maior para que as famílias se encontrem e fiquem reunidas. Queremos devolvê-lo aos nossos funcionários”, afirmou Jill Renslow à Associated Press. Se se trata de uma iniciativa genuína em respeito à sua força de trabalho ou uma bela jogada de marketing do Mall of America, ainda é cedo para afirmar. Por via das dúvidas, o shopping de Bloomington abrirá suas portas no próximo dia 25 de novembro, sexta-feira, às 5 da manhã. Em ponto.


Ricardo Largman, jornalista formado pela PUC-RJ em 1982, é crítico de cinema, consultor de Comunicação e assessor de Imprensa do Instituto IBMEC.