add_theme_support( 'post-thumbnails' ); global $et_theme_image_sizes; $et_theme_image_sizes = array( '400x250' => 'et-pb-post-main-image', '1080x675' => 'et-pb-post-main-image-fullwidth', '400x284' => 'et-pb-portfolio-image', '510x382' => 'et-pb-portfolio-module-image', '1080x9999' => 'et-pb-portfolio-image-single', '400x516' => 'et-pb-gallery-module-image-portrait', '2880x1800' => 'et-pb-post-main-image-fullwidth-large', ); $et_theme_image_sizes = apply_filters( 'et_theme_image_sizes', $et_theme_image_sizes ); $crop = apply_filters( 'et_post_thumbnails_crop', true ); if ( is_array( $et_theme_image_sizes ) ){ foreach ( $et_theme_image_sizes as $image_size_dimensions => $image_size_name ){ $dimensions = explode( 'x', $image_size_dimensions ); if ( in_array( $image_size_name, array( 'et-pb-portfolio-image-single' ) ) ) $crop = false; add_image_size( $image_size_name, $dimensions[0], $dimensions[1], $crop ); $crop = apply_filters( 'et_post_thumbnails_crop', true ); } } Jovem, meia-idade ou velho: quem tem mais chance de emprego? | Instituto IBMEC

Problemas graves com aposentadorias e Previdência Social não são privilégios do Brasil. Os Estados Unidos estão no mesmo barco. Lá como cá, a população envelhece rapidamente – e preocupa com igual velocidade. Dentro do total da população economicamente ativa o percentual de norte-americanos com mais de 65 anos subirá de forma acentuada nas próximas décadas: de acordo com o recenseamento demográfico de 2014, dos atuais 19%, para 29% no ano 2060. Com isso, naquele ano, o grupo irá quase se igualar aos percentuais relativos às faixas de 25 a 44 anos e de 45 a 64 anos.

O cenário é complexo. Além dos monumentais desafios para obtenção de recursos de longo prazo, as políticas públicas dos EUA se deparam com outro – e gravíssimo – gargalo. Uma recente pesquisa desenvolvida por Ian Burn, David Neumark e Patrick Button, todos economistas, revela que os trabalhadores mais velhos experimentam evidente discriminação por idade no processo de contratação, especialmente para empregos com baixa qualificação. Paralelamente, cresce o número de barreiras para quem pretende estender sua vida profissional.

Para aferir a questão, o trio primeiro criou currículos fictícios de candidatos jovens (de 29 a 31 anos), de meia-idade (49 a 51) e mais velhos (entre 64 e 66). Em seguida, os três economistas enviaram CVs para mais de 40 mil ofertas de empregos de baixa qualificação, em 12 cidades diferentes, mas abertas à contratação de trabalhadores de todas as idades. Os anúncios incluíam cargos administrativos, secretariado, vendas e segurança.

Em todas as alternativas do levantamento a taxa de retorno foi mais elevada para os candidatos mais jovens, mais baixa para os candidatos de meia-idade e mais baixa ainda para os candidatos mais velhos – comprovando a discriminação de idade nos processos de contratação. E estamos falando aqui dos homens. Em relação às mulheres os números são ainda mais desiguais. Mas isto, mulheres e trabalho, é tema para outro post.


Ricardo Largman, jornalista formado pela PUC-RJ em 1982, é crítico de cinema, consultor de Comunicação e assessor de Imprensa do Instituto IBMEC.

Parse error: syntax error, unexpected 'endif' (T_ENDIF) in /var/www/html/ibmec.org.br/web/instituto/wp-content/themes/Divi/sidebar.php on line 17