A notícia é boa, mas vai na contramão do que se tem anunciado em relação à mídia impressa: na próxima segunda-feira, dia 29 de fevereiro, o grupo Trinity Mirror, que publica os jornais de esquerda Daily Mirror e Sunday Mirror, lançará em 40 mil bancas e revendedores do Reino Unido o jornal The New Day, com 40 páginas. Impressas.

“A maioria das pessoas, e temos falado com milhares de leitores ao longo do último ano, só tem 30 minutos disponíveis. Ninguém tem tempo para nada hoje em dia. (…) Essas pessoas têm alertas de notícias em seus celulares o tempo todo, mas o que muitas vezes elas desejam é uma edição ‘fria’ das principais notícias do dia”, resumiu a editora Alison Phillips para o programa “Today” da BBC Radio 4. Segundo o diretor geral do Trinity Mirror, Simon Fox, o jornal terá presença nas redes sociais, mas sem um site oficial.

Gratuito no primeiro dia, vendido a 25 pence durante os 15 dias seguintes e, depois, a 50 pence, o The New Day promete revolucionar o mercado britânico – que não assistia havia três décadas a um lançamento de um novo jornal impresso. “Nossa linha editorial será politicamente neutra, sem uma coluna principal. Estamos tentando criar um clima de otimismo e positividade – que está faltando em outros lugares”, afirmou Alison Philips.

Se vai dar certo ou é apenas uma aventura jornalística de ano bissexto, saberemos em breve.


Ricardo Largman, jornalista formado pela PUC-RJ em 1982, é crítico de cinema, consultor de Comunicação e assessor de Imprensa do Instituto IBMEC.