De 2011 a 2015 a Telebras teve um desempenho crescente nas contas patrimoniais; o mesmo não ocorreu com os resultados: bruto, geração de caixa medida pelo EBITDA e resultado líquido, que tiveram fortes quedas no período. Por outro lado a empresa teve um crescimento brutal da sua dívida líquida alcançando em 2015 um valor de R$2,5 bilhões com um EBITDA negativo de R$171 milhões.

Observando a distribuição de valor a companhia “destruiu valor” de R$20 milhões em 2015 de seus stakeholders; este indicador apresentou uma taxa composta negativa no período de 184% ao ano.

Na comparação do 1S2015 versus 1S2016, a companhia teve um de desempenho um pouco melhor de resultados, em particular o resultado líquido que ficou positivo em “pífios” R$10 milhões. A distribuição de valor continuou em queda brusca de 58% entregando “modestos” R$9 milhões para seus stakeholders no 1S2016.

Leia o Artigo na íntegra clicando aqui.


Luiz Guilherme Dias é engenheiro, MBA em Finanças e Mestre em Economia Empresarial. Desenvolveu o Banco de Dados SABE, oriundo do IBMEC, que reúne mais de 100.000 balanços empresariais.